segunda-feira, 15 de março de 2021

Qual o preço da aposta?


Qual o preço da aposta?

 

 

Por Alessandra Leles Rocha

 

 

Em um primeiro momento ninguém sabia lidar com o Sars-COV-2. Era o inesperado batendo à porta. Mas, à medida em que o tempo foi passando, entre erros e acertos, o caminho foi se abrindo e confirmando respostas importantes. Depois de muita dor e sofrimento, os bons exemplos começaram a emergir e ganhar efeito multiplicador pelo mundo. Afinal, a Pandemia não é só minha, nem sua, ela é do planeta!

Pena, que nem todas as pessoas pensam assim. A vida, a saúde, o bem-estar da população deveria ser prioridade em quaisquer circunstâncias; mas, especialmente, durante uma pandemia. Mas, não foi. Pelo menos, centrando foco no Brasil, não foi assim que as coisas se procederam. A cegueira, como aquela pensada por José Saramago 1, não permitiu que a luz dos bons exemplos alcançasse a Terra Brasilis.

E usando de artifícios torpes e deprimentes desviaram o foco das práticas seguras e consagradas até o momento, deixando a população à mercê da própria sorte. Fizeram uma “roleta-russa” da vida de mais de 212 milhões de habitantes, porque a resposta a infecção por esse vírus é uma incógnita em cada organismo. Pode não causar nada. Pode causar efeitos leves. Pode causar efeitos moderados. Pode causar efeitos graves ou gravíssimos. Pode matar. Pode sequelar. Quando e com quem se confirmam esses prognósticos, são perguntas sem resposta.

Mesmo assim, fazem pouco.  Há um ano que um planejamento estratégico é aguardado. No qual, deveriam estar, também, as diretrizes do plano de vacinação. Mas... A expectativa de que a Pandemia desaparecesse do mapa do mesmo jeito que apareceu foi a grande aposta. E o país perdeu por excesso de confiança. Confiou sem olhar para o mundo. Sem olhar para a Ciência. Sem olhar para os fatos em plena ebulição diante de seus olhos.

Quase 280 mil mortos, pelos dados divulgados hoje. Mas, diante da realidade processual da COVID-19 no país, certamente, esse número está subestimado. Já se sabe que muitas pessoas não tiveram acesso aos serviços de saúde e vieram a óbito em suas casas. Muitas certidões foram emitidas sem a comprovação técnica da doença, dada a baixa testagem populacional, ocasionando um viés diagnóstico. Enfim, questões que o tempo e a história se ocuparão de organizar de alguma maneira.

Pior do que isso, é perceber como toda a Pandemia tem sido subestimada no Brasil. E essa é a razão pela qual o país não consegue exibir nenhum indicador de melhora. No entanto, essa incapacidade resolutiva não causa impactos negativos somente dentro dos seus limites territoriais; mas, já sinaliza uma ameaça global, conforme preocupação da própria Organização Mundial da Saúde (OMS), em face da ausência de diretrizes responsáveis em relação à Pandemia.

Ora, a presença de um vírus e suas variantes altamente transmissíveis circulando pelo mundo pede uma união de esforços coletivos simultâneos para debelar a guerra biológica instituída. Não basta cada nação agir por conta própria, fundamentada apenas por suas crenças e valores.  A gravidade e a urgência da situação exigem um alinhamento científico para os melhores aproveitamentos dos recursos imunobiológicos e tecnológicos disponíveis.

E passado um ano, o Brasil ainda insiste em se manter na contramão do óbvio. Aliás, obstaculizando de todas as maneiras os esforços dialógicos e diplomáticos; bem como, ostentando a sua mais plena animosidade contra os discursos empenhados pelos mais qualificados corpos científicos mundiais. Além de não seguir as recomendações preventivas, pactuadas como consenso ao redor do planeta, o Brasil ridiculariza, minimiza, debocha, desqualifica todas elas, como se estivesse em posição de total superioridade para fazê-lo.

De modo que no quadro comparativo da história que se escreve todos os dias, o Brasil só faz repetir a incongruência entre discursos e ações. Destoando cada vez mais daqueles que não se furtaram a acompanhar o fluxo das práticas de prevenção, descobertas a duras penas, nesse momento tão crítico da saga humana sobre o planeta. O que resulta no aprofundamento de uma postura marginal ao contrário de protagonista.

Uma escolha estranha? Sim. Mas, bem mais do que isso. Digamos, perigosa. Porque a saúde é um dos pontos de esteio de qualquer sociedade. Pessoas insalubres, doentes, não produzem, não consomem, não trabalham, não movem as engrenagens do desenvolvimento e, nem tampouco, do progresso. De modo que as expectativas em relação a prosperidade e a riqueza, simplesmente, minguam.

É hora de parar de dobrar a aposta. O Brasil já perdeu demais nesse jogo de extremo azar. A impaciência não vem só da população que assiste de perto ao morticínio, a desassistência instituída. Vem de longe. Vem de quem o país precisa. E eles não se contentam com palavrórios ou promessas vãs. Quem se senta nas grandes mesas de negociação quer narrativas sérias, responsáveis, consistentes. Por isso, cada minuto a mais de desatenção pode ser decisivo, pode quebrar a banca de maneira definitiva.    



1 SARAMAGO, J. Ensaio sobre a cegueira. São Paulo: Cia. das Letras, 1995. 310p. Romance.


Um comentário:

  1. Verdade esse texto é maravilhoso sim temos que tomar Régia né porque já vai entrar outro ministro de saúde para quê para nada né porque vai ser a mesma coisa

    ResponderExcluir