quinta-feira, 11 de março de 2021

O ser humano. O tempo. O vírus.


O ser humano. O tempo. O vírus.

 

 

Por Alessandra Leles Rocha

 

 

12 meses. 365 dias. 8760 horas. ... Essas são algumas das possíveis representações desse um ano, desde que a Pandemia de Sars-COV-2 foi confirmada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Dizem que o tempo ensina. Então das lições ofertadas até aqui, podemos afirmar com certeza que a realidade é muito mais assustadora do que quaisquer filmes de ficção sobre vírus. Mas, o bom é que não fica só nisso.

De repente, toda a pressa do mundo contemporâneo se canalizou para a Ciência. Há um ano, os cientistas do mundo correm contra o tempo para desvendar os mistérios desse inimigo desconhecido. Para encontrar respostas e soluções médicas e farmacêuticas. Para criar vacinas. Para salvar a vida e afugentar a morte.

O curioso é pensar que, paralelamente, da correria desatinada fez-se a paciência. Milhões de pessoas foram contidas e obrigadas a entregar-se a uma resignada e equilibrada calmaria. Isolados do mundo e em si mesmos. Quietude silenciosa e perplexa frente as imprevisibilidades da vida. Sobretudo, quando se flerta tão de perto com a morte.

Nada faz abrir mais janelas e portas para uma jornada de reflexão profunda, do que as perdas. Ninguém é o mesmo depois que alguém, muito querido e importante, parte rumo a uma vida eterna. É nesse instante que a vida começa a descolorir. A intensidade existencial perde o brilho, perde o foco, perde um bocado do significado. Não é mais do mesmo jeito, porque as lembranças, as memórias, não são tão boas em remendos. São só paliativos para aliviar por instantes. E essa tem sido a sina de muita gente.

Pena, que não seja de todos. A relatividade dos fatos, do tempo, do vírus, foi a desculpa para que houvesse gente a não levar a situação tão a sério. Querendo crer que as tais ondas virais fossem se dissipando no mar do infortúnio até perder toda a robustez de sua força. Pensamento sem base científica; mero desejo impetuoso de quem tem dificuldade de lidar com a realidade.

Mas nem aqui e nem na maioria dos lugares o panorama arrefeceu. Porque independente do tempo, metamorfosear é premissa básica dos agentes virais. Lei da sobrevivência! Mudam para se adaptar e permanecer presentes no mundo. Geralmente mudanças mais agressivas, mais radicais, mais impactantes para seus hospedeiros.

Um ano depois da notícia que estarreceu o planeta, agora são as cepas variantes que estão no centro das atenções. Em especial, nos países em que a vacinação se desenvolve abaixo das expectativas e demandas, como é o caso do Brasil, de modo que o vírus encontra menos obstáculos para se disseminar e fazer estragos. Além disso, a baixa imunização associada a uma relativa adesão as medidas sanitárias profiláticas, defendidas pelos agentes de saúde globais, mantiveram-se alheias nesse curso temporal.

Afinal, o tempo que aprendeu a correr freneticamente sob a batuta da ordem econômica é sempre um desafio a ser vencido, mesmo quando é a vida humana que está em risco. Um ano não parece o suficiente para demover muitas pessoas do seu fascínio mercantil. Isso, então, explica a resistência em se abrir para esse “novo mundo” que se descortinou de repente e, no qual o TER só faz sentido se houver o SER.

Mas, sem se importar com o que pensam ou fazem os viventes do planeta, o tempo e o vírus seguem sua sina. De certo modo, agindo como certas pessoas por aí, cuidando dos próprios interesses. Fazendo valer suas vontades. Conquistando seus espaços aqui e ali, na base de acotoveladas e empurrões. Ditando modos e tendências. Desconstruindo alicerces e realidades. Reatando os laços. Vejam só, o poder que se esconde naquilo que não se vê!

12 meses. 365 dias. 8760 horas. E alguém ainda acredita ser o mesmo?! Basta procurar com atenção, olhando além dos espelhos, e as marcas estão por todo o corpo e identidade. Arranhões, cicatrizes, cortes profundos de golpes desferidos pelo improvável da vida que, certamente, jamais tinha passado pelo pensamento de ninguém. Estávamos tão absortos, tão ensimesmados, ... que, no fundo, já vivíamos isolados à parte do mundo, em decorrência da consumição de nosso próprio individualismo.

E agora, nesse período de experimentação, há um caminho para redescobrir a importância de uma vida mais coletiva, mais humana, mais afetiva, mais solidária. Em que a preocupação com as horas ceda espaço aos abraços, a convivência, a coexistência humana. É... Quem diria que um vírus, um ente imperceptível aos nossos olhos, poderia nos fazer compreender na prática uma verdade tão simples, ou seja, que “O tempo é muito lento para os que esperam. Muito rápido para os que têm medo. Muito longo para os que lamentam. Muito curto para os que festejam. Mas, para os que amam, o tempo é eterno” (Henry Van Dyke – diplomata, pastor e escritor norte-americano).


Nenhum comentário:

Postar um comentário