terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Entendeu ou preciso desenhar???


Entendeu ou preciso desenhar???

 

 

Por Alessandra Leles Rocha

 

 

Chega! Já deu! Passou da hora de demonstrar uma gota que seja de maturidade cidadã diante da crise que se arrasta. Por mais contornos de imprevisibilidade que resida na sua essência, não seria difícil imaginar que qualquer vento de cauda retiraria o país dos eixos. Afinal, muito antes do COVID-19, nada estava efetivamente em ordem para o enfrentamento de quaisquer desafios; nem finanças, nem empregos, nem saúde, ... nada.

E sendo a Pandemia uma crise de ordem mundial, se os mais preparados já arrancaram os cabelos da cabeça, o que diremos de nós pobres criaturas.  Embrulhados nas amarras globalizadas e globalizantes do mercado, um espirro deles é internação, na certa, por aqui. Portanto, caberia na lógica do bom senso, caminhar na mira do traçado que seguem os demais, a fim de se evitar o máximo de contratempos possíveis. Mas, não tem sido essa a realidade...

Desajustado dentro de uma espiral caótica de irresponsabilidade e ausência de planejamento estratégico, o país rodopia pelos ralos da Pandemia.  Reproduzindo o provérbio, dizem alguns que ele está “mais perdido do que cego em tiroteio”, porque além de não sair do lugar, nada parece dar certo. Assim, vai ficando cada vez mais isolado e distante de encontrar uma luz no fim do túnel. E “quem não escuta cuidado, escuta coitado”... Agora, ficam nessa histeria coletiva, encenando um “cabo de guerra”, como nos tempos da escola; o que não leva ninguém a lugar nenhum, mais uma vez.  

Esquecendo-se dos imbróglios que já se arrastavam anteriormente e olhando de maneira fixa para o início da Pandemia, há pouco mais de 9 meses que quem dá as cartas é o COVID-19. Ele está batendo de 7x1 na seleção do mundo, haja vista o terceiro lockdown imposto pelo Reino Unido, no dia de hoje; mesmo em franca vacinação, mesmo com todo planejamento traçado, mesmo com todos os recursos disponíveis. Porque o danado invisível é esperto que só! Está se transformando numa rapidez que está colocando a Ciência com a língua para fora, na tentativa de superá-lo.  

Ele é mais ele. Na sua linha de raciocínio tanto faz se a economia vai mal ou vai bem. Se milhões irão morrer. Ele quer se reproduzir, se manter vivo e ativo, só isso. Até faz lembrar alguns governos que se baseiam em olhar apenas para si e causam uma destruição enorme. Matam sonhos. Matam esperanças. Matam pessoas no contexto da sua dignidade humana. Enfim...

Quem não se lembra dessa fala no filme Matrix 1? “Eu gostaria de te contar uma revelação que eu tive durante o meu tempo aqui. Ela me ocorreu quando eu tentei classificar sua espécie e me dei conta de que vocês não são mamíferos. Todos os mamíferos do planeta instintivamente entram em equilíbrio com o meio ambiente. Mas os humanos não. Vocês vão para uma área e se multiplicam e se multiplicam, até que todos os recursos naturais sejam consumidos. A única forma de sobreviverem é indo para uma outra área. Há um organismo neste planeta que segue o mesmo padrão. Você sabe qual é? Um vírus. Os seres humanos são uma doença. Um câncer neste planeta. Vocês são uma praga. E nós somos a cura. ...” (Agente Smith – Matrix). Pois é...

Enquanto isso, o país se permitiu ao longo de todos esses meses estabelecer um “efeito sanfona” de flexibilização, cujo padrão absurdamente heterogêneo conseguiu garantir a viabilidade de disseminação viral. De modo que mais de 190 mil cidadãos brasileiros morreram até agora. Mais de 7 milhões foram contaminados. Inúmeros casos de reinfecção. Desdobramentos variados com quadros de sequelas graves. Sem contar uma economia patinando em um cenário global de incertezas e de demandas, acrescidas de uma das piores crises ambientais promovidas no país. Desmatamentos e incêndios devastaram hectares e hectares da Floresta Amazônica, do Pantanal e do Cerrado, impactando severamente a fauna, a flora e os recursos hídricos nessas regiões.  É pouco ou quer mais?

Nem diante desse cenário horroroso fez-se mover as peças do tabuleiro. Corrijo, a falta de soluções se expandiu e na contramão, eis que parte da sociedade decidiu trabalhar em desfavor do país, como se nada estivesse acontecendo aqui ou em qualquer lugar do planeta. Aglomerações. Muitas. Variadas. Fake News sobre as possíveis vacinas. Mobilizações contra as medidas de isolamento social. Guerra ao uso de máscaras. Quase que um surto paralelo de “Napoleões de Hospício”.

Mas, brincadeiras à parte, a situação é gravíssima. Método não é um princípio exclusivamente científico; mas, de vida. Não dá para fazer as coisas do fim para o começo. Senso lógico, senso crítico, senso prático são premissas fundamentais para se alcançar os objetivos, para solucionar as demandas. Se o país sem Pandemia já necessitava de método, com ela esse trato é fundamental. É preciso parar com esse “diz que me disse” infernal e assumir uma postura de país responsável e ativo. Com tantos sobressaltos e descompassos, o Brasil realmente “não consegue respirar”. E como sabemos... quem não respira morre. Então...



1 Matrix (The Matrix, 1999) -  https://www.youtube.com/watch?v=2KnZac176Hs 

Nenhum comentário:

Postar um comentário