quinta-feira, 11 de maio de 2017

Rap Encena - Espetáculo que mescla arte circense, rap e música brasileira circula pelos centros culturais com oficinas nos dias 13, 20 e 28 de maio

Rap Encena  - Espetáculo que mescla arte circense, rap e música brasileira circula pelos centros culturais com oficinas

O projeto Rap Encena é um espetáculo cênico-musical que propõe o encontro entre o rap, a musicalidade brasileira e o circo e reúne o artista circense e idealizador Foca, o multi instrumentista Fantini e os MCs Abu, Oreia e Sarah Guedes.
O espetáculo será apresentado durante o mês de maio, sempre a partir das 16h30, nos dias 13, 20 e 28 de maio, respectivamente nos Centros Culturais Urucuia, Salgado Filho e CRCP (Centro de Referência da Cultura Popular e Tradicional Lagoa do Nado). Além das apresentações serão realizadas, entre 10h e 16h, oficinas de beatbox, circo e escrita poética. As vagas são limitadas (15 pessoas por oficina), e as inscrições podem ser feitas pelo telefone (31) 99682-7199 (whatsapp) ou pelo e-mail rapencena@gmail.com. A entrada é franca.

Mais informações:

Dialogos em cena
A arte do circo, canto falado do rap e a multiplicidade da música brasileira se encontram num espetáculo inusitado, justamente pela proposta de reunir universos tão distintos, mas nem por isso “estranhos”. O circo abarca algumas das manifestações mais antigas e populares de arte, dialogando com pessoas dos mais diversos lugares. O rap, por sua vez, é uma modalidade musical tipicamente urbana, frequentemente associada á denúncia das mazelas e capaz de criar cenários verbais de toda ordem, lidando com o concreto e o abstrato como poucas outras manifestações são capazes, além de estabelecer uma relação direta com os jovens dos grandes centros. A música brasileira, por sua vez, não é “um” universo, mas sim “universos” e é deste amálgama que surge o Rap Encena. Felipe Cardoso, o Foca, é artista do circo e partiu dele a iniciativa de promover o encontro.

“Rap Encena nasce do amor pela arte de rua. Circo e Rap sempre foram duas paixões. Após um contato próximos aos mcs amigos da cidade Hot Apocalipse, Oreia, Sarah Guedes e o músico Fantini, fiz um convite a fim de somar nossas habilidades e como forma de arte e sobrevivência. Desafio complexo que após quase dois anos de experimentações, trocas, vivências e shows deu origem a este filho, depois de toda essa gestação. Muito amor arte e libedade na criação desse projeto. Resultado de União e  valores comuns”, conta Foca.

Os artistas do projeto

Foca
Artista Circense há 8 anos, Felipe Cardoso mais conhecido como FOCA, também é dono e fundador da Agencia de Artistas, Foca Produção Cultural. Referência nas Artes Circenses em Minas Gerais e em seus projetos de ocupação do espaço público, foca é um artista ativista que trabalha ativamente no Movimento mineiro de circo e a (Abramala) Associação Brasileira de Malabarismo.
Atua em diversos projetos sociais de ocupação e ação urbana, tendo como especialidade a técnica do malabarismo, palhaço e arremesso de facas. Foca em sua trajetória já participou de projetos, festivais e convenções em grande parte do País, Argentina, Chile, Paraguai, e Bolívia apresentando seu trabalho artístico, sendo em Belo Horizonte referência em âmbito nacional nas artes circenses dentro do novo circo.
Oreia
Gustavo Aguiar é Mc e participante ativo da cena cultural mineira. ‘Oreia’, como é conhecido nos saraus, duelos, apresentações na rua e shows em casas noturnas, impressiona pela forma criativa e bem humorada com que apresenta suas rimas. Improvisador desde os treze anos já se apresentou em São Paulo, Brasília, Bahia e venceu batalhas do famoso Duelo de Mc’s no viaduto Santa Tereza em Belo Horizonte.
Oreia integra o coletivo Zandra Produções que além de outras atividades, realiza eventos onde se reúnem importantes artistas da cena musical independente, bandas como Absinto Muito e Dom Pepo além de mc’s como Fabrício FBC e Hot Apocalypse, com quem integra também o grupo DV Tribo, ao lado de Djonga e Clara Lima.

Sarah Guedes
Negra, cantora e compositora, Sarah Guedes tem 22 anos. Desenvolve seu trabalho autoral como MC, poetiza e mestre de cerimonia, se apresentando em eventos culturais em Belo Horizonte e região Metropolitana. Estudou no Plug Minas – Núcleo Valores de Minas experimentação artística nas áreas de teatro, dança, circo, música e artes visuais (com ênfase em dança) durante os anos de 2011 a 2013. Estreou no espetáculo “A Casca”, junto ao coletivo de dança Legítima Una, no qual fez parte durante os anos de formação no Valores de Minas, atuando como bailarina e atriz. Trabalhou como arte-educadora, por meio de monitorias de dança, em projetos sociais/educativos, como Escola Aberta, Escola Integrada e oficinas. Fez parte durante 2 anos do coletivo Rima Na Rua, onde atuava como mestre de cerimônia da Batalha de MCs semanal realizada no Shopping UAI. Atualmente desenvolve o projeto feminista Autônomas e CineGang, integra a crew Pretus A’Firma, que reafirma o processo de empoderamento e fortalecimento da cultura negra por meio do rap e compõe ao lado da Mc Bárbara Sweet a Crew feminina de rap “BCCLÔ.

Abu
Abu é rimador de BH, cria do Sarau Vira Lata e das sextas-feiras de Duelo de MC’s. Começou a cantar sua poesia em 2013, e em 2016 lançou seu primeiro trabalho, o EP “2015”. Agora em 2017 lançou seu segundo EP, em parceria com Dj Cizco, chamado “Cru”.Atualmente desenvolve parcerias com diversos beatmakers da cena belorizontina e com o selo Posse Cutz. Também realiza um trabalho de educação através do ritmo e poesia com oficinas em escolas, e participa do grupo Rap Em Cena, que promove a mistura das linguagens do circo e da música.

Rafael Fantini
Músico instrumentista conhecido no universo do rap como Fantini, ou ”caixa de som humana’, atua na pesquisa sobre criações rítmicas, utilizando ferramentas como loopstation rc-300, uma pedaleira que envolve as harmonias/melodias com a percurssão, criando assim uma atmosfera musical semelhante à de uma banda.
Basicamente os instrumentos envolvidos são, violão, didgeridoo, jaw harp e escaleta, somada à sua percurssão orgânica, conhecida como beat box. Iniciou sua jornada na música aos 10 anos e de forma auto ditada desenvolveu sua musicalidade. Oficineiro e idealizador do projeto rap experimental ”lá da favelinha” e o Hip-Hop estrela no “Espaço Comum Luiz Estrela”, Juntamente a Mc’s e cantores de Belo Horizonte, faz parte do cenário do rap e da musica independente de Belo Horizonte
Este projeto é realizado com recurso da lei municipal de incentivo a cultura de Belo Horizonte. Fundação Municipal de cultura


Serviço
O que: Rap Encena – Espetáculo e oficinas
Onde: Centros Culturais-
Urucuia (R. W-3, 500 - Pongelupe, Belo Horizonte)
Salgado Filho (R. Nova Ponte, 22 - Salgado Filho, Belo Horizonte)
CRCP -Centro de Referência da Cultura Popular e Tradicional Lagoa do Nado (Rua Ministro Hermenegildo de Barros, 904 – Itapoã)
Quando: 13, 20 e 28 de maio.
Oficinas de Beat Box + Escrita Poesia e Métrica: 10h às 12h
Oficina de Circo:  14h às 16h
Espetáculo: 16h30
Entrada franca
Obs: participação nas oficinas mediante inscrição prévia pelo telefone(31) 99682-7199 (whatsapp) ou pelo e-mail rapencena@gmail.com

Fonte: Rogério Dias – Aclive Comunicação e projetos

Nenhum comentário:

Postar um comentário