sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Para refletir...

10 de Dezembro: Dia Internacional dos Direitos Humanos. Em 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) adotou, em Paris (França), a Declaração Universal dos Direitos Humanos.



Aula Aberta: A Reinvenção da Família

A aula aberta é gratuita e destinada a apresentar um novo professor ao público da Casa do Saber e, para os novos alunos, é também uma oportunidade de ter contato com o ambiente e a dinâmica das aulas. O tema, geralmente panorâmico, serve como uma porta de entrada para assuntos a serem aprofundados em um futuro curso ministrado pelo professor da aula aberta. 


O encontro coloca em discussão os rumos das configurações familiares daqui para frente, fazendo um resgate sobre as mudanças na noção de “família” ao longo da história. Novas práticas sociais e regulamentações jurídicas surgiram nas últimas décadas, acompanhadas de expressões como família mosaico, reconstituída, parental, monoparental, polifamília, homoafetiva, entre outras, deixando o debate público – e a cabeça de todos - em ebulição. No entanto, a ideia de família se encontra hoje entre dois movimentos opostos: de um lado, os ideais da cultura de liberação sexual e dos costumes; de outro, a tentativa nostálgica de retorno ao modelo tradicional.
Data 15/12/2016
Duração: 1 encontro
Dia: Quinta-Feira
Horário: das 20h às 22h
Valor: R$ 0,00
Observações: Inscrições gratuitas pelo site, exclusivamente. Vagas limitadas e sujeitas à lotação do espaço.

Produções de cinema de animação serão exibidas na fachada digital do Espaço do Conhecimento

Pelo terceiro ano consecutivo, o Espaço do Conhecimento UFMG vai exibir, em sua fachada digital, produções da Mostra Udigrudi Mundial de Animação (Mumia). Quarenta curtas-metragens de diferentes gêneros serão mostrados a partir de hoje, 8, até o próximo domingo, 11, e novamente de 15 a 18 de dezembro, sempre das 19h30 às 20h30.
A Mumia, que busca alcançar públicos que, em geral, não têm acesso a filmes com esse perfil no circuito comercial, é considerada a segunda maior mostra dedicada à animação no Brasil. As produções vêm de diversas partes do mundo – países como Estônia, Bélgica, Japão, Rússia e Venezuela. Outras atividades, como oficinas, também compõem a mostra, sediada também por espaços como Sesc Palladium e Cine Humberto Mauro.
O Espaço do Conhecimento fica na Praça da Liberdade, 700.

Curso de educação ambiental em unidade de conservação está com inscrições abertas

Disciplina do Instituto de Biociências e do Parque Cientec é oferecida como optativa para alunos de graduação da USP e curso de extensão para outras pessoas

O Projeto Ecossistemas Costeiros abriu as inscrições para o Curso Teoria e prática de Educação Ambiental em Unidades de Conservação Marinhas e Costeiras 2017 (BIB-0443)A atividade é oferecida como disciplina optativa para os estudantes de graduação da USP e curso de extensão para outras pessoas. Há vagas especiais para funcionários de Unidades de Conservação.
O projeto é um programa do Instituto de Biociências (IB) e do Parque CienTec, ambos da USP. As inscrições se encerram dia 12 de dezembro e tanto estudantes da USP quanto de fora da Universidade devem se inscrever no site do IB, e não no sistema JúpiterWeb.
Os principais temas abordados no curso serão: bases da Educação Ambiental (EA); embasamento filosófico da EA como processo de transformação individual e social; conceitos de transdisciplinaridade, transversalidade e contextualização do ensino aplicados a protocolos de EA; Educação Ambiental marinha e costeira no Brasil e no mundo, entre outros.
O curso terá conteúdo teórico on-line e prática de monitoria na Unidade de Conservação Parque Estadual de Ilha Anchieta no litoral paulista, previsto para os dias 8 a 13 de abril.
Alunos da USP receberão os créditos da disciplina (6 créditos). Além disso, todos os aprovados no exame prático final receberão certificado e carteira de Monitor Ambiental Básico.
A divulgação dos selecionados será em 16 de dezembro, neste site e no e-mail de cada candidato. Eventuais alterações de data estarão informadas no site do projeto. A confirmação de interesse por e-mail deverá ser feita individualmente por cada aluno entre 16 e 18 de dezembro. Estudantes que não confirmarem serão excluídos dessa lista. Divulgação de turma definitiva, com eventual chamada para vagas remanescentes, será no dia 18 de dezembro.
O material para as aulas virtuais a distância estarão disponível a partir de 10 de março, mesma data da aula inaugural no Instituto de Biociências, na Cidade Universitária, em São Paulo.
Mais informações: ecosteiros.ibusp@gmail.com, site https://goo.gl/UM4adl

VÍDEO EXCLUSIVO: As violações no sistema prisional brasileiro

Na contramão da tendência mundial de redução do número de pessoas em privação de liberdade, o Brasil aumenta, a cada ano, 7% a sua população carcerária. O país já é o quarto no ranking global de encarceramento.
Na semana do Dia Internacional dos Direitos Humanos – 10 de dezembro –, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) apresenta um especial sobre abusos no sistema prisional brasileiro, como o encarceramento de inocentes, superlotação, maus-tratos e tortura.

Na contramão da tendência mundial de redução do número de pessoas em privação de liberdade, o Brasil aumenta, a cada ano, 7% a sua população carcerária. Atualmente, há 300 presos para 100 mil habitantes; no mundo, essa média é de 144.
Na semana do Dia Internacional dos Direitos Humanos – 10 de dezembro –, o Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) apresenta um especial sobre abusos no sistema prisional brasileiro, como o encarceramento de inocentes, superlotação, maus-tratos e tortura.
“Os casos de tortura, maus-tratos e racismo são práticas institucionalizadas nas cadeias brasileiras. Por mais que diferentes organizações denunciem, elas permanecem”, disse Isabel Lima, psicóloga da organização não governamental Justiça Global.
Em março deste ano, o então especialista de direitos humanos da ONU sobre tortura, Juan E. Méndez, criticou a prática frequente de tortura e maus-tratos nos presídios e delegacias brasileiras, apontando ainda o que classificou como “racismo institucional” no sistema carcerário do país.
“Eu vi muita gente cuspir sangue porque uma autoridade mandava a gente estufar o peito para bater com uma pá de ferro. Muitas vezes, eu era acordado com choque. Tenho marcas no pênis dos choques que eu levava”, contou Robson Borges da Silva, que ficou no sistema prisional por quase cinco anos e hoje é diretor da ONG ‘Eu quero Liberdade’.

Prisões provisórias

Nos últimos anos, a população carcerária brasileira saltou de 90 mil (na década de 90) para 622 mil (em 2014), de acordo com o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen). Dentre os presos, 40% são provisórios, ou seja, que ainda não foram julgados e permanecem encarcerados.
Nos Estados Unidos, que possuem mais de 2,3 milhões de presos – a maior população carcerária do mundo –, o percentual de presos provisórios não supera os 17%. Em alguns estados brasileiros, como no Piauí, essa realidade é ainda mais alarmante: 70% dos presos são provisórios.
“Em todo o Brasil esse é um problema estrutural, o que mostra para nós que a grande parcela do problema se deve ao fato de que o nosso sistema de justiça não aplica a lei de forma adequada”, afirmou Taiguara Souza, diretor do Instituto de Defensores de Direitos Humanos (DDH).

Política de drogas

O endurecimento da política de combate às drogas é apontada como uma das causas do encarceramento em massa, que também reforça a seletividade nas prisões condenando, em muitos casos, quem é usuário.
Segundo o Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça, mais de 27% dos presos respondem por tráfico de drogas. Apenas no Rio de Janeiro, o número de mulheres presas por tráfico em 2013 foi de 64. No ano seguinte, esse número saltou para 643, um aumento de mais de 1000%.

Racismo

Apenas 13% dos presos que estão no sistema prisional brasileiro são brancos; os demais são negros e pardos, majoritariamente pobres.
Formado em psicologia, Vinícius Romão foi preso acusado de assalto a mão armada. As características físicas de Vinícius correspondiam às informações que a vítima havia repassado à polícia. Ele foi levado para um presídio, onde ficou por 16 dias.
“O meu caso foi um claro exemplo de racismo. Eu não tinha nenhum pertence da vítima, não estava armado. Só porque eu sou negro, eu era o responsável pelo assalto? Então, se um branco de olhos verdes assaltar alguém, quer dizer que o primeiro branco de olhos verdes que passar será o culpado?”, questionou Vinícius, que foi libertado após uma campanha de repercussão nacional nas redes sociais.
Preso injustamente e com uma série de direitos violados, Vinícius recorre à sentença: uma surpreendente indenização de 5 mil reais.
“Em meio a tantos abusos, é preciso fazer com que a sociedade perceba que, ao defender que ‘direitos humanos são direitos para bandidos’, quem perde é toda a sociedade. É preciso que a sociedade tenha percepção de lutar e afirmar seus direitos”, completou Taiguara.
Os dados mencionados na reportagem do UNIC Rio estão presentes no relatório da Justiça Global.

Abrigo público para solicitantes de refúgio e migrantes em São Paulo recebe homenagem no STF

Casa de Passagem Terra Nova, abrigo público que acolhe e dá assistência a refugiados e migrantes em São Paulo, foi homenageada na terça-feira (6) em Brasília, durante a 13ª edição do Prêmio Innovare, promovido pelo Poder Judiciário brasileiro. Iniciativa, que oferece atendimento jurídico, serviços e moradia por um período de até 50 dias, ficou entre as finalistas da premiação.
A Casa de Passagem Terra Nova, abrigo público que acolhe e dá assistência a refugiados e migrantes em São Paulo, foi homenageada na terça-feira (6) em Brasília, durante a 13ª edição do Prêmio Innovare, promovido pelo Poder Judiciário brasileiro.
Há dois anos, a instituição oferece um serviço pioneiro de atendimento jurídico aos solicitantes de refúgio. O objetivo da iniciativa é regularizar a documentação desse público e acompanhar a situação migratória no país.
“A mensagem que o solicitante de refúgio passa quando ele submete seu pedido é que ele escolheu o Brasil para ser seu novo lar. Então, é uma obrigação e uma satisfação atender esse solicitante de refúgio da melhor maneira possível”, disse o idealizador do projeto e advogado Luiz Felipe Deffune de Oliveira, durante cerimônia ocorrida no Supremo Tribunal Federal (SFT).
O Innovare é a mais importante premiação da Justiça brasileira e valoriza iniciativas que buscam soluções para os desafios enfrentados pelos que atuam no sistema judiciário. Criado em 2004, o prêmio já teve cerca de 5 mil práticas inscritas e reconheceu mais de 150 como ganhadoras. Em 2016, foram recebidas 482 inscrições em diferentes categorias.
O presidente do Conselho Superior do Innovare e ex-presidente do STF, Ayres Brito, elogiou a qualidade das iniciativas que participaram da edição desse ano. “Todas são igualmente benéficas ao sistema de Justiça e seus agentes, contribuindo para torná-lo mais ágil, inovador e humanizado”, disse.
O serviço de atendimento jurídico da Casa de Passagem Terra Nova ficou entre os dois finalistas na categoria “Advocacia”, que recebeu 66 projetos para avaliação. O vencedor promove a regularização fundiária de comunidades pobres no Rio Grande do Sul e é conduzido coletivamente pela Procuradoria-Geral de Porto Alegre.
A Casa de Passagem Terra Nova foi criada pelo governo do estado de São Paulo em 2014 para receber migrantes estrangeiros em busca de novas oportunidades. O abrigo tem capacidade para 50 pessoas. Por lá já passaram pessoas vindo da Síria, Nigéria, Guiné Bissau, República Democrática do Congo, Camarões, Angola e Bolívia.
Além de acolher os refugiados e seus familiares, a Terra Nova oferece serviços essenciais aos seus moradores, como apoio social, psicológico, atividades de convivência e ocupacionais. Por se tratar de uma casa de passagem, o tempo de permanência dos estrangeiros na Terra Nova é de até 45 dias, durante os quais também são oferecidas atividades de orientação profissional, oficinas de idiomas e auxílio para inclusão no mercado de trabalho.

ACNUR lança publicação sobre igualdade e diversidade de gênero para refugiados no Brasil

Publicação sobre igualdade e diversidade de gênero foi elaborada com o intuito de facilitar a adaptação de deslocados forçados à realidade cultural do Brasil. Documento será apresentado nesta quinta-feira (8) em um hangout, às 12h. Saiba com assistir na matéria. Lançamento é parte da campanha dos “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”.
Como parte das atividades de mobilização dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) lança nesta quinta-feira (8) a Avante!, publicação sobre igualdade de gênero elaborada com o intuito de facilitar a adaptação de deslocados forçados à realidade cultural do Brasil. Documento será apresentado em um hangout, às 12h. Acompanhe pelo link https://youtu.be/OXYOID28IwU.
Com uma linguagem simples e muitas referências visuais, o conteúdo do livreto retrata a chegada ao Brasil de um solicitante de refúgio que passa a viver o cotidiano de uma nova realidade social, muitas vezes distante de sua própria experiência prévia. O protagonista se depara com situações em que precisa se adequar à diversidade e equidade de gênero.
Ao longo de sua trajetória, o personagem recebe informações oficiais que deixam claro os direitos e deveres das pessoas que moram no Brasil. Um dos objetivos da Avante! é explicar a legislação nacional sobre violência de gênero a refugiados e solicitantes de refúgio residentes no país.
hangout será conduzido pela equipe do ACNUR envolvida no desenvolvimento do conteúdo: a mestre em gênero, mídia e cultura. Joanna Burigo, e o consultor em gênero, masculinidades e violência, Daniel Lima. Os profissionais foram contratados pelo organismo da ONU especialmente para o projeto.
Desde 1999, o ACNUR vem empreendendo esforços para incluir perspectivas de gênero em todos os seus programas, desenvolvimento de atividades, como treinamento regular para suas equipes.
Na sequência do lançamento online, o material ficará disponível para consulta e download gratuitos no site do ACNUR Brasil. Veja aqui.

Campanha ’16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres’

Realizada desde 1991 pelo Centro de Liderança Global de Mulheres (Center for Women’s Global Leadership – CWGL), a campanha dos “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres” estabelece uma relação simbólica entre direitos humanos — cujo Dia Internacional é celebrado em 10 de dezembro, ao final do período de mobilização — e a violência de gênero.
A iniciativa é uma homenagem às irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa, que foram contra o ditador Trujillo da República Dominicana e ficaram conhecidas como “Las Mariposas”. As ativistas foram assassinadas em 1960.

Violência contra a mulher no Brasil

Segundo o Mapa da Violência 2015 (disponível aqui), estudo elaborado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO), com o apoio da ONU Mulheres e da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), o Brasil ocupa a 5ª posição num ranking de feminicídio de 83 país, com uma taxa de 4,8 assassinatos por cada 100 mil mulheres; 55,3% desses crimes foram cometidos no ambiente doméstico e 33,2% dos assassinos eram parceiros ou ex-parceiros das vítimas, de acordo com dados de 2013 do Ministério da Saúde. A pesquisa diz ainda que houve um aumento de 54% em dez anos no número de assassinatos de mulheres negras, passando de 1.864, em 2003, para 2.875, em 2013.

Cineclube Cultura - Veludo Azul - 10/12 às 20h - Oficina Cultural de Uberlândia

Ana Cañas realiza show inédito na Autêntica


A cantora e compositora Ana Cañas retorna a BH para show inédito, desta vez na casa de shows A Autêntica (Rua Alagoas, 1172 – Belo Horizonte), no dia 16 de dezembro, às 22h.
No repertório, muitos sucessos da cantora, como "Esconderijo", "Hoje Nunca Mais", "Pra Você Guardei O Amor" (dueto  com Nando Reis), "Luz Antiga" e "Tô Na Vida" (parceria com Arnaldo Antunes). A primeira metade do show será totalmente solo (apenas voz e violão de aço) e a segunda, Ana segue acompanhada pelo baixista (acústico e elétrico) Fábio Sá. 
O show de abertura é da mineira Carla Sceno. 
Os ingressos custam: R$ 30,00 promocional - R$ 40,00 antecipado - R$ 50,00 portaria

Sobre Ana Cañas
A artista paulistana tem quatro álbuns gravados e coleciona parcerias de sucesso como Gilberto Gil e os ex-Titãs Nando Reis e Arnaldo Antunes. O primeiro disco “Amor e Caos” foi lançado em 2007, seguido por “Hein?”, lançado em 2009 com produção de Liminha, “Volta (2012) e “Tô Na Vida” (2015), quarto de estúdio da carreira que contou com a produção de  Lúcio Maia (Nação Zumbi) em parceria com Ana e mixado por Mario Caldato, sendo este o primeiro o primeiro disco totalmente autoral da carreira da cantora e considerado pela crítica especializada o seu melhor disco, e traz as músicas “Tô Na Vida”, “Hoje Nunca Mais” e “Mulher”.

A Autêntica

Voltada para a música autoral e com capacidade para 300 pessoas,  o espaço tornou-se um dos principais redutos da música produzida na cidade, além de receber artistas de outras regiões do Brasil e do mundo. Inaugurada em 21 de fevereiro de 2015 A Autêntica é um espaço plural por onde passaram nomes importantes ligados ao rock, ao samba, ao jazz e a toda uma diversidade musical .

Serviço:
Show: Ana Cañas - abertura: Carla Sceno
Quando: 16 de dezembro, às 22h
Onde: A Autêntica  - Rua Alagoas, 1172 / Savassi– Belo Horizonte
Ingresso: R$ 30,00 promocional - R$40,00 antecipado - R$ 50,00 portaria

Fonte: Rogério Dias – Aclive Comunicação e projetos

A NOITE MAIS PESADA DO ANO - EVENTO REÚNE NOMES IMPORTANTES DO METAL

Três representantes da cena do metal estarão no palco d’A Autêntica no próximo sábado


No sábado, dia 10 de dezembro, A Autêntica receberá  as guitarras das bandas Impurity e  Bode Preto além do retorno de um dos principais nomes do metal, a banda  Holocausto. O nome do evento “A Noite Mais Pesada do Ano” não poderia ser mais apropriado, devido ao peso sonoro tão característico deste estilo e que, mais uma vez, colocou BH no mapa mundial da música devido aos trabalhos de bandas como Sepultura .  os shows começam às 22h e os ingressos custam R$25,00 Antecipado / R$30,00 Portaria. 

Reunindo gerações
Belo Horizonte já foi conhecida como a “Capital do Metal”, e isso se deve ao histórico de bandas que conseguiram destaque mundial, sendo Sepultura, Sarcófago e Overdose as principais delas, além de nomes como Eminence e Chakal. Entretanto, são poucos os shows realizados na cidade voltados para o público do rock pesado.
A Noite Mais Pesada do Ano é uma dessas raras oportunidades e reúne gerações distintas do Heavy Metal, como a Bode Preto, que surgiu no final dos anos 2000 e nomes reconhecidos surgidos na década de 80 como Impurity e Holocausto, sendo a última um dos nomes mais celebrados deste cenário, com trabalhos clássicos como o álbum “Campo de Extermínio”. 

Sobre as bandas:

Holocausto é uma das principais bandas de metal do Brasil, considerada a primeira banda de war metal do mundo. Formada em 1984, inicialmente com o nome de Asmodeu, por Rodrigo F. (vocal) e Valério Exterminator (guitarra), já em 1985 recrutam Marco Antônio (baixo) e Nedson warfare (bateria) e assumem definitivamente o nome de Holocausto. já no início as primeiras composições já contém témáticas apocalípticas e controversas como guerras e nazismo e a brutalidade sonora extrema característica das bandas de Belo Horizonte como Sepultura e Sarcófago. 

IMPURITY banda de Black Metal que surgiu em 1989 com Demo tape intitulada "The Impurity Temple", seguido do LP  "The Lamb's Fury" em junho de 1993. O Impurity tem influências de bandas como Venom, Celtic Frost, Helhammer, Samael, Bathory, Blasphemy. A formação é:  Ram Pries (vocal) , Ron Seth (Guiatarra e baixo), Hellfire (bateria). 

BODE PRETO  é a mais jovem das três bandas. O Bode Preto foi formado em 2009, em Teresina, Paui. Tendo lançado o Dark Night EP em 2010 (a faixa Sweet Fever aparece no CD compilacão Fear Candy da Terrorizer Magazine # 201 - UK). O primeiro álbum Inverted Blood, foi lançado em 2012. A banda é formada por: Josh SS (Vocais/Guitarra),  Rodrigo F. Magalhães (Baixo/Vocais) e Adelson Souza (Bateria) 

Serviço:
Evento: A Noite Mais Pesada do Ano
Local: A Autêntica -  Rua Alagoas, 1172 - 
Shows: Impurity + Holocausto + Bode Preto
Estilo: Heavy Metal
Quando:  sábado, 11 de dezembro, às 22h
Ingressos: R$25,00 Antecipado / R$30,00 Portaria
Contatos: Roberto (31) 9666-2877

Fonte: Rogério Dias – Aclive Comunicação e projetos

Museu Correios recebe a mostra Vida Artificial II


O Museu Correios recebe a exposição Vida Artificial II, que apresenta por meio das artes a sociedade contemporânea e sua transformação com o avanço da tecnologia.  Essa transformação torna-se benéfica se estivermos suficientemente maduros para processá-la e adaptá-la às nossas necessidades, identificando até que ponto ela é saudável e útil à nossa vida em sociedade, seja no núcleo familiar, social ou corporativo.
As obras tiveram como inspiração o texto do Dr. Em psicologia da Universidade federal da Paraíba Dr. Valdiney Veloso, que apresenta a sociedade envolta em uma teia mundial de tecnologias que não têm tempo para serem modernas, precisando lutar para não se contaminar com milhares de bits desnecessários para sua existência social, o homem se molda à fragilidade de uma folha seca, sensível às imposições capitalistas de consumo. Aparentemente livre, por vezes se rende à lógica dicotômica, que opõe pessoas, objetos ou ideias, tornando-se um ser automatizado, socialmente produzido em série.
Sua dependência, embora reflita em aparelhos aos quais se prende, vai além, retratando seu desejo de estar em contato, comunicar-se; preso mesmo à sua essência social que o leva a isolar-se, perdendo-se entre mensagens, notícias, comentários e curtidas.
            Uma oportunidade de apreciar um pouco do que se produz no Brasil e no mundo, com obras de artistas da Romênia, Itália, Suíça, São Paulo, Paraiba, Pernambuco. O grupo brazilianarte.com desenvolve exposições sem fins lucrativos há seis anos, com mais de quinze exposições já realizadas abrangendo diversos estados brasileiros, Portugal e Espanha.
Parte do acervo, 10 obras fotográficas do artista John Wilhelm (Suíça), serão destinadas integralmente a CASA AZUL, entidade sem fins lucrativos de apoio à criança.

Serviço:
 Exposição Vida Artificial II
 Abertura e lançamento do catálogo (tiragem limitada): 08/12, às 19h.
Local: Museu Correios
Horário: terça a sexta, das 10 às 19h. Sábados e domingos, das 14h às 18h.
 Local: Museu Correios - SCS quadra 4, bloco A, 256, - Asa Sul, Brasília - DF, 70304-915.
Visitação: 09 de dezembro de 2016 a 19 de fevereiro de 2017.
Informações: (61) 2141-9276
Classificação: Livre para todos os públicos | Acesso para pessoas com necessidades especiais
Entrada Franca | Acesso para pessoas com deficiência

RETROSPECTIVA INÉDITA DE ANTÔNIO POTEIRO NO MUSEU CORREIOS

Exposição com obras nunca vistas pelo público homenageia um dos maiores artistas do país.


Museu Correios apresenta a exposição inédita Poteiro Por Inteiro, de 08 de dezembro de 2016 a 08 de fevereiro de 2017, com curadoria de Enock Sacramento. A mostra esteve em cartaz em São Paulo e chega à capital federal apresentando pinturas e esculturas nunca exibidas ao público do artista Antonio Poteiro, produzidas entre 1960 e 2010, ano de seu falecimento. Na abertura da exposição, dia 08 de dezembro, haverá visita guiada com o curador e lançamento do catálogo da exposição, às 19h. A mostra é gratuita e tem patrocínio dos Correios e do Governo Federal.
A exposição é composta por 5 esculturas e 30 pinturas de Antonio Poteiro. O artista, que completaria 101 anos em 2016, é um dos artistas brasileiros de maior repercussão dentro e fora do país, notadamente no domínio da arte naïf, popular, ingênua, ínsita, na qual se firmou, em seus últimos anos de vida, como o número 1 no Brasil.
Poteiro era um verdadeiro artista, ou seja, um criador. Inventava personagens e narrativas. Criou figuras tais como a Rainha das Tartarugas e o Rei do Pão. Para Ferreira Gullar, “tudo na obra de Antonio Poteiro tem um sentido ligado à história do povo, suas aflições e seus sonhos de felicidade”.
 A exposição “Poteiro por Inteiro” visa resgatar e levar ao público uma síntese do universo pictórico e escultórico do artista. Para o curador da mostra, Enock Sacramento, “a pintura que Antônio Poteiro nos legou é de uma inventividade extraordinária, difícil de encontrar na plástica brasileira. Sobre um fundo chapado, ele geralmente dispõe árvores, flores, animais, figuras humanas, isoladas ou em grupos. Há uma orquestração de azuis, amarelos, vermelhos, verdes e de outras cores que, combinadas, definem o universo pictórico poteiriano. Suas esculturas cerâmicas são de uma riqueza formal e volumétrica encantadoras. Sua arte agrada a leigos e eruditos”.

Sobre o artista:
Antônio Batista de Souza, conhecido como Antônio Poteiro, foi ceramista e pintor. Nasceu em 10 de outubro de 1925, na Aldeia de Santa Cristina da Pousa, em Portugal. Participou duas vezes da Bienal Internacional de São Paulo (1981 e 1991), da Biennalle Internazionale NAÏF, Cittá di Como, Itália (1976) e da V Bienalle Internazionale NAÏFS, entre Fiera e Lombardia, Itália (1980), da III Bienal de Havana, Cuba (1989), da III Bienal de Artes de Goiás (1993) e da Bienal Naïfs do Brasil, SESC Piracicaba (1994). Recebeu numerosos prêmios entre eles o de Melhor Escultor Nacional, da Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA, em 1985. Em 1997 foi destacado com a Comenda da Ordem do Mérito Cultural, do Ministério da Cultura, Brasil. Faleceu no dia 8 de junho de 2010 na cidade de Goiânia, capital do Estado de Goiás.
  
Serviço:
 Exposição “Poteiro por Inteiro”
 Abertura lançamento do catálogo e visita guiada com o curador: 08/12, às 19h.
Local: Museu Correios
Horário: terça a sexta, das 10 às 19h. Sábados e domingos, das 14h às 18h.
 Local: Museu Correios - SCS quadra 4, bloco A, 256, - Asa Sul, Brasília - DF, 70304-915.
Visitação: 09 de dezembro de 2016 a 08 de fevereiro de 2017.
Informações: (61) 2141-9276
Classificação: Livre para todos os públicos | Acesso para pessoas com necessidades especiais
Entrada Franca | Acesso para pessoas com deficiência
Realização: Instituto Antonio Poteiro
Patrocínio: Correios

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Já parou para pensar???

Brasil cai em ranking mundial de educação e está entre os piores desempenhos

Em comparação com os demais países, o Brasil ocupa a 63ª posição em ciências; a 59ª posição em leitura e a 65ª posição em matemática

Brasil está estacionado entre os piores desempenhos do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), de acordo com os resultados da avaliação de 2015, divulgados nesta terça-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O Pisa mediu o conhecimento dos estudantes de 72 países em leitura, ciências e matemática. Nas três, a média dos estudantes brasileiros ficou abaixo da dos demais países. Em matemática, o país apresentou a primeira queda desde 2003, início da série histórica da avaliação.

Em ciências, a média do Brasil foi 401 pontos, enquanto a média dos países da OCDE foi 493. Em leitura, o país obteve 407 pontos, abaixo dos 493 pontos dos países-membros da OCDE e em matemática, o desempenho brasileiro foi de 377 contra 490 da OCDE.

De acordo com os critérios da organização, 30 pontos no Pisa equivalem a um ano de estudos. Isso significa que, em média, os estudantes brasileiros estão cerca de três anos atrás em ciências e leitura e mais de três anos em matemática.

O Pisa testa os conhecimentos de estudantes de 15 anos de idade em matemática, leitura e ciências. A avaliação é feita a cada três anos, e cada aplicação é focada em uma das áreas. Em 2015, o foco foi em ciências, que concentrou o maior número de questões da avaliação.

Participaram da edição do ano passado 540 mil estudantes que, por amostragem, representam 29 milhões de alunos dos países participantes. A avaliação incluiu os 35 países-membros da OCDE, além de economias parceiras, como o Brasil. No país, participaram 23.141 estudantes de 841 escolas. A maior parte deles (77%) estava matriculada no ensino médio, na rede estadual (73,8%), em escolas urbanas (95,4%).

Em matemática, o país teve uma trajetória positiva desde 2003, início da série histórica, quando obteve 356 pontos. Nas avaliações seguintes, obteve 370 em 2006 e 386, em 2009. Em 2012, o país atingiu 389 pontos. Houve uma elevação real de 21 pontos na média dos alunos no período de 2003 a 2012. Em 2015, no entanto, o país caiu para 377, o que significa um declínio de 11,4 pontos. Apesar de ser uma queda, pelos critérios da OCDE, não se trata de grande diferença.

Nas demais avaliações, o país está estagnado. Em ciências, a proficiência média do Brasil foi 390 em 2006; 405 em 2009; e 402 em 2012. As pontuações não apresentam diferenças estatísticas, segundo o relatório da OCDE, o que mostra que o país está estagnado. O mesmo ocorre em leitura. Em 2000, o país obteve 396; em 2003, 403; em 2006, 393; em 2009, 412 e em 2012, 407. Essas diferenças são consideradas insignificantes estatisticamente.

Ranking

Em comparação com os demais países, o Brasil ocupa a 63ª posição em ciências; a 59ª posição em leitura e a 65ª posição em matemática. O ranking considera 70 economias - foram excluídas a Malásia e o Cazaquistão, que não seguiram as mesmas regras de amostragem dos demais países, o que não permite a comparação.

No topo do ranking de ciências estão Cingapura (556), o Japão (538) e a Estônia (534). Em leitura estão Cingapura (535), Hong Kong (China), o Canadá (527) e a Finlândia (526). Em matemática, Cingapura também aparece em primeiro lugar, com 564 pontos, seguida de Hong Kong (548) e Macau (China), com 544 pontos. 

A OCDE pondera que as condições socioeconômica do Brasil e dos países da OCDE são diferentes. Enquanto no Brasil, o Produto Interno Bruto (PIB) per capita considerado no estudo é de US$ 15,9 mil, a média da OCDE é de US$ 39,3 mil por habitante. Os países-membros da organização também investem mais por estudantes dos 6 aos 15 anos, US$ US$ 90,3 mil, enquanto no Brasil esse gasto é de menos da metade, 38,2 mil.

Outros países, no entanto, como a Colômbia, o México e o Uruguai gastam menos por estudante que o Brasil e tiveram um desempenho melhor em ciências - respectivamente, 416, 416 e 435 pontos. O Chile, que gasta o mesmo que o Brasil, também obteve uma pontuação maior, de 447.

Ministério da Educação


Na avaliação da secretária executiva do Ministério da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro, o resultado geral do Brasil "é muito ruim em comparação até com países que têm investimento menor que o nosso em educação e, inclusive, um nível de desenvolvimento inferior ao do Brasil. Países como a Colômbia e o México, que tinham um desempenho parecido e agora já superaram o Brasil", afirma.

De acordo com Maria Helena, é possível "dar um salto de qualidade" desde que haja políticas públicas adequadas. Segundo ela, a formação de professores é chave nesse processo. Ela aposta na definição da Base Nacional Comum Curricular para melhorar o ensino. A base vai definir o mínimo que estudantes devem aprender, desde o ensino infantil até o ensino médio. O documento, que está em discussão para o ensino médio e em fase final de elaboração para as demais etapas, vai orientar também a formação dos professores.

"Acho que o Pisa é bom relatório para que se entenda as enormes dificuldades do país, que não melhora a educação básica e, ao mesmo tempo, pensa em melhorar a economia. Só vai conseguir melhorar [a economia] se melhorar a educação básica", acrescenta.

Para dirigentes da ONU, inclusão de pessoas com deficiência está no centro da Agenda 2030

Em mensagens divulgadas nesta semana para o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência (3/12), o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, afirmaram que a inclusão destas pessoas faz parte dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que têm o propósito de não deixar ninguém para trás. A Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência completa 10 anos.
Há 10 anos a Assembleia Geral da ONU adotou a Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência, um instrumento internacional de direitos humanos ratificado por ampla maioria – 169 votos – e que tem estimulado comprometimento e ação por igualdade, inclusão e empoderamento em todo o mundo. Para o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a partir da Convenção, a deficiência tem sido incorporada nos agendas de desenvolvimento e direitos humanos de todo o mundo.
Em mensagem para a data, Ban lembrou que a adoção dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 tem o propósito de não deixar ninguém para trás. “Cumpri-los exige a inclusão total e a participação de pessoas com deficiência na sociedade e no desenvolvimento”, afirmou. “Precisamos eliminar estereótipos e discriminação que perpetuam a exclusão e construir ambientes acessíveis, inclusivos e adequados para todos (…) É necessário remover os obstáculos ambientais e comportamentais que impedem as pessoas com deficiência de exercer seus direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais”, afirmou.
Para Irina Bokova, diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), a data é uma oportunidade para levantar a bandeira da inclusão e do empoderamento por meio da educação, das ciências, da cultura e da comunicação e informação. Ela lembrou que as pessoas com deficiência enfrentam estigma e exclusão, especialmente entre os grupos mais vulneráveis da sociedade, como migrantes, refugiados e indígenas, além de mulheres e meninas.
“Nossa mensagem é clara: o desenvolvimento sustentável não será possível sem a inclusão plena de pessoas com deficiências em todos os níveis, sem que seus papéis e vozes sejam incorporados às decisões e às políticas”, afirmou a diretora.