quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Resistência a remédios leva OMS a mudar diretrizes para tratamento de sífilis, clamídia e gonorreia

Uso inadequado de antibióticos tem aumentado resistência de agentes patológicos e diminuído eficácia de medicamentos. Já existem cepas da bactéria da gonorreia que não respondem a nenhum remédio atualmente disponível. Somadas, novas infecções pelas doenças chegam a mais de 200 milhões por ano.
Em resposta à crescente resistência de antibióticos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou na terça-feira (30) novas diretrizes para o tratamento de sífilis, clamídia e gonorreia. Por ano, o número de pessoas infectadas pelas bactérias causadoras dessas doenças chega a 5,6 milhões, 131 milhões e 78 milhões respectivamente.
De acordo com o organismo internacional, prevenção e tratamento precoce dessas infecções sexualmente transmissíveis são fundamentais para evitar complicações mais graves e até mesmo fatais.
A falta de acesso a diagnóstico e a perda da eficácia de alguns medicamentos — causada pelo uso excessivo e inadequado das drogas — têm aumentado os riscos à população.
A OMS alerta que já foram identificadas cepas de N. gonorrhoeae — agente patológico da gonorreia — que não reagem a nenhum dos antibióticos atualmente disponíveis. Casos de resistência também são registrados para as bactérias da sífilis e da clamídia, mas são menos frequentes.
Problemas de saúde associados às três doenças afetam principalmente as mulheres e podem ter consequências no longo prazo. Doença inflamatória pélvica, gravidez ectópica e aborto estão entre as complicações, que também incluem infertilidade, tanto no público feminino, quanto nos homens.
Clamídia, gonorreia e sífilis também podem duplicar ou triplicar o risco de infecção pelo vírus HIV. A OMS informa ainda que infecções sexualmente transmissíveis, quando não tratadas durante a gravidez, aumentam o risco de natimortos e morte neonatal.

Tratamento de gonorreia

A agência de saúde da ONU destaca que, devido ao aumento da resistência de antibióticos, medicamentos mais antigos e baratos não têm surtido efeito para tratar gonorreia.
A OMS recomenda às autoridades que utilizem a droga mais eficaz contra a doença, de acordo com as diretrizes sobre resistência locais, e desaconselha a prescrição das quinolonas, uma classe de antibióticos que tem se mostrado ineficaz em numerosas ocorrências.

Sífilis: ainda uma ameaça de saúde pública

Em 2012, a transmissão materno-infantil da sífilis provocou cerca de 143 mil mortes fetais precoces e nascimentos de natimortos; 62 mil mortes neonatais; e 44 mil nascimentos prematuros ou de crianças abaixo do peso.
Para tratar a infecção, as novas diretrizes da OMS recomendam fortemente uma única dose de penicilina benzatina, um antibiótico injetado por um médico ou enfermeiro no músculo das nádegas ou na coxa do paciente infectado. Essa é a terapia considerada mais eficaz para a sífilis, sendo também mais barata que os antibióticos orais.
Apesar de considerada essencial pelo organismo internacional, o medicamento passa por um período de escassez já há alguns anos. Relatos de desabastecimento chegaram à OMS de algumas das regiões mais afetadas pela doença.

Clamídia

A Organização Mundial da Saúde alerta que a clamídia é uma das mais frequentes doenças bacterianas transmitidas por via sexual. Os sintomas incluem sangramento e sensação de queimação ao urinar, mas a maioria dos infectados não costuma manifestar traços da patologia. Mesmo em sua forma assintomática, a clamídia pode causar danos ao sistema reprodutivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário