sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Bonecas de Pano

História das Bonecas

As bonecas atravessaram épocas e civilizações.
A boneca mais conhecida do Brasil é a chamada "bruxinha de pano", de fabricação caseira, precária e tradicional na época colonial, utilizada pelas crianças de baixa renda. Tornou-se, com o passar do tempo, uma marca forte da arte popular e do folclore, indicando sua regionalidade e sua etnia por meio dos tecidos e das cores das vestimentas, tipos humanos e indumentária.

No Brasil, as mulheres da tribo dos Carajás produzem bonecos de cerâmica para as filhas, com diferenciação de sexo. Os corpos das bonecas são pintados de branco, vermelho e negro para representar os seres que habitam esses mundos.

Além dessas bonecas de barro, há também os bonecos de amimais e mulheres, mas não se trata de brinquedos, e sim de enfeites e objetos de cultos.
As primeiras bonecas, como as que temos hoje, aportadas no Brasil vieram com a família real em 1808, mas eram restritas às famílias mais ricas.
As bonecas de pano eram, a princípio, objetos de magia negra herdadas da cultura africana trazida pelas escravas.

Posteriormente, passaram a ser utilizadas como brinquedos pelas crianças das famílias de baixa renda e foram se popularizando com a passagem dos tempo. Essas bonecas de pano serviram de modelo para Emília, a boneca de pano mais famosa do Brasil, personagem dos livros de Monteiro Lobato. A partir das bonecas de pano, foram produzidas bonecas de plástico e vinil, cada vez com mais movimentações.


Saiba mais em:


Nenhum comentário:

Postar um comentário