terça-feira, 19 de julho de 2016

Estudo da UNESCO aponta que 263 milhões de crianças e jovens estão fora da escola

Estudo da agência da ONU aponta que 61 milhões de crianças de 6 a 11 anos, 60 milhões de jovens de 12 a 14 anos e 142 milhões de adolescentes de 15 a 17 anos não estudam. A África Subsaariana tem as maiores taxas de exclusão escolar.

Estudo da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) aponta que 263 milhões de crianças e jovens de todo o planeta – o equivalente a ¼ da população europeia – estão fora da escola, sendo que a África Subsaariana tem as maiores taxas de exclusão.
“Os países se comprometeram em dar educação de primeiro e segundo grau a todas as crianças até 2030. Estes dados apontam o trabalho que existe à frente se quisermos alcançar este objetivo”, afirmou a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, lembrando um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS): educação inclusiva, equitativa e de qualidade.
“Nosso foco deve ser na inclusão, a partir das primeiras faixas etárias e durante todo o ciclo de ensino, com políticas capazes de superar todas as dificuldades em cada estágio, com especial atenção para as meninas, que ainda enfrentam as maiores dificuldades”, alertou.
O novo estudo “Não deixando ninguém para trás: quanto falta para a educação primária e secundária universal?”  foi divulgado em conjunto pelo Instituto de Estatísticas da UNESCO e pelo Relatório de Monitoramento Global de Educação.
Os dados apontam que 61 milhões de crianças estão fora do ensino primário (6 a 11 anos), 60 milhões não frequentam o ensino fundamental  (12 a 14 anos) e 142 milhões de jovens de 15 a 17 anos não estudam. Esta é a primeira vez que alunos do ensino fundamental são incluídos na pesquisa.
A África Subsaariana, que tem os piores índices, apresenta mais de 1/5 de crianças fora do ensino primário, 1/3 de jovens fora do ensino fundamental e quase 60% dos adolescentes fora das escolas de ensino médio.
Segundo o documento, as maiores barreiras para limitar o acesso a educação estão ligadas a gênero, localização, riqueza e conflitos armados. Em todo o mundo, 22 milhões de crianças (6 a 11 anos), 15 milhões de jovens (12 a 14 anos) e 26 milhões de adolescentes (15 a 17 anos) não frequentam a escola em regiões afetadas por conflitos.
O estudo aponta ainda que, apesar dos esforços e progressos feitos nas últimas duas décadas, 15 milhões de garotas nunca tiveram a chance de aprender a ler ou escrever no ensino primário, enquanto o número de meninos é de 10 milhões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário