quinta-feira, 22 de novembro de 2012

2012...



2012... Seria possível imaginar?!



Por Alessandra Leles Rocha



Se dois mil e doze vai ou não acabar em vinte e um de dezembro, eu realmente não sei; mas, que este ano tornou-se deveras emblemático para a história nacional isso é um fato. Foi um ano de traduzir em ações o que explicações, fossem elas triviais ou rebuscadas, não conseguiriam. Foi o ano em que a liberdade, de fato e de direito, pousou suave sobre o manto da verdade e da justiça.
Quase nos quarenta e cinco do segundo tempo de dois mil e doze, e o momento inesquecível desse ano chega personificado pelo ministro Joaquim Barbosa, que tomou posse como novo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) 1. A Justiça nos fez justiça; devolveu-nos a esperança, a confiança, os olhos abertos, o valor do mérito, o valor da competência, o significado dos princípios sociais.
Pela porta dianteira da corte principal do Judiciário Brasileiro, Joaquim Barbosa torna-se presidente. O Ministro Barbosa mineiramente traduziu com maestria as palavras irretocáveis de Jose Saramago 2, “Mesmo que a rota da minha vida me conduza a uma estrela, nem por isso fui dispensado de percorrer os caminhos do mundo” 3. Sim! Percorreu caminhos, galgou degraus, deixou que o tempo cumprisse silenciosamente o seu rito. Encontrou apoio, afeto, afago; mas, não atalhos, nem subterfúgios, nem “linhas tortas” que pudessem macular a trajetória, apagar o brilho da estrela. A consagração desse dia só é o que é porque ele desfez com sabedoria, com paciência e muita persistência os nós habituais de uma tão emaranhada sociedade brasileira.
Liberdade, igualdade e fraternidade 4. Valores mundialmente conhecidos, sobretudo por seus propagadores franceses 5; mas, agora, especialmente apresentados em nosso país pelo Ministro Barbosa. Os pilares de sustentação dos nossos códigos e doutrinas soam agora mais significativos. Certamente que não apagam os tempos das terríveis injustiças; mas, assinalam os bons ventos da transformação que nos liberta, nos iguala e coloca todos os cidadãos brasileiros sob uma mesma fraternidade.
Aos desbravadores pesa sempre o fardo da gloria e dos novos desafios. Não há início que não chegue amparado por águas turvas e revoltas, mas a sabedoria que rege a consciência se mune da coragem e da força necessárias para prosseguir. Um passo de cada vez e pausas para reflexão. Descanso apenas ao findar de cada labuta. Assim se escreve a vida, se conta historias; nem tudo serão flores, nem espinhos. Talvez, por hora, envolta pela emoção do ineditismo a balança de Themis penda em favor das melhores expectativas; no sentido de que o Templo da Justiça está consciente do seu papel. Os ecos não se perdem mais no vazio; ouvimos respostas, temos respostas.  
Tempos de crise, conturbados, incógnitos; por isso, grande parte da população mundial anda sedenta por alguém que lhes transmita credibilidade e esperança. Foi o ano de Barack Obama reeleito presidente dos Estados Unidos da América 6. Foi o ano de Joaquim Barbosa presidente do Supremo Tribunal Federal, no Brasil. Duas grandes personalidades que transformaram a sua condição étnica em detalhe isento de relevância para que fossem escolhidos; foram simplesmente humanos na sua condição máxima de existir e essa foi a grande lição para cada um de nós. Algo que só John Lennon 7 poderia um dia imaginar 8!

Nenhum comentário:

Postar um comentário