sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Educação em tempos de consumo


Como ensinar a criança a desejar de forma consciente desde cedo

Em tempos de consumo desenfreado, é importante que os pais ensinem aos seus filhos formas sustentáveis e reais de lidar com o dinheiro e os bens que este pode comprar. A tarefa não é das mais simples, já que as crianças não nascem sabendo o que é frustração. Mas, mesmo que seja dolorido, esse sentimento é algo necessário para que seu bebê se transforme em um adulto responsável e feliz.
Para começar, não dê tudo o que seu filho quer – e, acredite, ele vai pedir de todas as formas possíveis e imagináveis! Suportar aqueles olhinhos amendoados pode ser difícil, mas os pais devem se manter firmes. Aliás, muitos pais não querem sentir a culpa de negar algo a sua prole, e acabam exagerando nas compras.
Nesses momentos, é importante refletir. Seja por condições financeiras, que mudam o tempo todo; seja porque aquele objeto de desejo não é seguro ou proibido para crianças, seu filho se sentirá frustrado em algum momento. Mais: a criança que tem tudo não tem oportunidade de desejar nada, e isso é fundamental para sua formação.
Por isso, saiba esperar. Dê tempo para que a criança peça por algo – um brinquedo, uma roupa, um objeto – uma segunda vez. Ela precisa aprender o que é querer de verdade e a conseguir isso. Crianças mais velhas também podem ter a chance de se informar sobre o produto e explicarem aos pais. Isso vai mostrar também o valor do esforço.
Também deixe claro a quantas anda a situação financeira da família. Não é vergonha nenhuma explicar à criança que existem gastos além daqueles com brinquedos e roupas. Isso é saudável para que ela aprenda também a administrar o dinheiro quando for o momento certo.
Por fim, a educação em tempos de consumo sem limites passa pelo ensinamento da doação. Incentive seu filho a doar algum brinquedo sempre que conseguir um novo, explicando que muitas crianças não possuem nada para se divertir. São valores que com certeza seu filho vai levar para a vida toda.

MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO EM:



Nenhum comentário:

Postar um comentário