sábado, 12 de novembro de 2016

Ator britânico Liam Neeson visita refugiados sírios na Jordânia


Após visita de dois dias à Jordânia, o embaixador do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o ator britânico Liam Neeson, disse ter ficado impressionado com a força e a esperança de crianças sírias que vivem no país. “Cada pessoa tem uma história de perda e testemunhou violências horríveis que ninguém — muito menos crianças — deveria presenciar”, disse o ator, após visitar Za’atari — o maior campo de refugiados do mundo, situado próximo à fronteira com a Síria.

Após visita de dois dias à Jordânia, o embaixador do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o ator britânico Liam Neeson, disse na quinta-feira (10) que ficou impressionado com a força e a esperança de crianças sírias que vivem no país.
“Cada pessoa tem uma história de perda e testemunhou violências horríveis que ninguém — muito menos crianças — deveria presenciar”, disse o ator, após visitar Za’atari — o maior campo de refugiados do mundo, situado próximo à fronteira com a Síria.
“Admiro muito a força e a esperança das crianças que conheci, em especial das meninas. Elas querem ser médicas, advogadas, policiais, engenheiras, e pretendem, quando puderem retornar à Síria, ajudar a reconstruir o país devastado pela guerra”, acrescentou.
Durante a viagem, Liam Neeson também conheceu meninas e meninos sírios em uma escola apoiada pelo UNICEF e em um Makani — centro que fornece serviços de aprendizagem e apoios psicossociais a crianças e jovens.
Além disso, visitou uma família síria de cinco membros que vive atualmente em um abrigo dois quartos, como muitas outras famílias da região. O ator também jogou futebol com crianças jordanianas e sírias envolvidas em um programa de esporte para a paz gerenciado pelo UNICEF e parceiros.
“Estamos muito gratos por Neeson encontrar crianças afetadas pelo conflito na Síria, e pelo seu empenho em nos ajudar a ampliar as vozes de milhões de menores e jovens que, apesar do sofrimento prolongado, permanecem extremamente persistentes e esperançosos”, disse o representante do UNICEF na Jordânia, Robert Jenkins.
Desde o início do conflito na Síria, mais de 8,5 milhões de crianças foram gravemente afetadas, entre outras coisas, pela violência, pelo colapso dos sistemas de saúde e de educação e pelo baixo rendimento das famílias devido à guerra.
O UNICEF informou que cerca de 2,4 milhões de menores vivem como refugiados em países de acolhimento. As comunidades desses países são muitas vezes sobrecarregadas, e há acesso limitado à água potável, a alimentos e a oportunidades de aprendizagem.
A agência da ONU pediu novamente um fim ao ciclo de violência na Síria e apelou por medidas que garantam às crianças impactadas pelo conflito segurança, educação e assistência psicológica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário