segunda-feira, 11 de abril de 2016

Osesp - estreia mundial - 14 a 17 de ABRIL

CELSO ANTUNES (REGENTE ASSOCIADO) REGE A OSESP | ESTREIA DE OBRAS INÉDITAS DE MAURY BUCHALA E RICHARD RINJVOS | KISMARA PESSATI (MEZZO SOPRANO) | 14 A 16 ABRIL
Celso Antunes, regente associado da Osesp, está à frente deste programa que apresenta três obras em estreia mundial: uma delas especialmente encomendada ao compositor brasileiro Maury Buchala, e ainda duas orquestrações inéditas de peças de Heitor Villa-Lobos, de autoria do compositor holandês Richard Rinjvos.
 
Rinjvos, que já teve composições tocadas por renomadas orquestras, entre elas a do Royal Concertgebouw e a Sinfônica da BBC, recém-estreou, em março deste ano, a obra Asie (terceira do ciclo "Grand Atlas"), encomendada e executada pela Filarmônica da Rádio Holandesa. São suas as orquestrações da Valsa da Dor [Máquina] (5 min) e de Alma Brasileira (4 min), de Villa-Lobos, que abrem o concerto, e sobre as quais Rinjvos comenta:
 
“Em 2010, a rádio holandesa me encomendou a orquestração de Rudepoêma, lendária peça para piano de Heitor Villa-Lobos. Sonhava com isso desde que conheci a obra, no final da década de 1980. Em dezembro de 2014, pude estar em São Paulo quando a Osesp realizou três apresentações da versão final e revisada do meu arranjo orquestral. (...) Ao voltar para casa, inspirado pelo desempenho maravilhoso da Osesp, decidi trabalhar em outras orquestrações de Villa-Lobos. As primeiras da lista foram Valsa da Dor e Alma Brasileira, duas peças curtas, mas icônicas, e que, salvo engano, nunca haviam sido orquestradas.”
 
Em seguida, a Osesp recebe, pela primeira vez, a mezzo soprano Kismara Pesatti, jovem cantora lírica brasileira de promissora carreira internacional, para ser a solista de Cecília, peça inédita encomendada ao compositor Maury Buchala, inspirada na poesia da escritora Cecília Meireles. Sobre a obra, o compositor explica que:
 
“Os textos, que são também de minha autoria, foram influenciados por, e aludem livremente a diversos poemas da fase inicial da obra da escritora. O trabalho de elaborar uma música com texto é sempre delicado, para que a junção se realize. Neste trabalho, a música e o texto foram elaborados como um Lied (canção), mas também com uma construção operística e dramática.”
 
Reconhecido internacionalmente por seu trabalho na música erudita contemporânea, Maury Buchala acaba de lançar o CD “Portrait”, produzido pelo Selo Sesc e gravado entre abril e junho de 2015, em Paris, com um resumo dos 10 anos de trabalho e pesquisa de Maury. O texto do encarte é assinado pelo saudoso Gilberto Mendes que, em certo ponto diz: “Maury vive em Paris, o que pode explicar em parte a direção musical que sua música tomou, de extrema, implacável preocupação com o som, sua forma, construção minuciosa em seus mínimos detalhes”.
 
Depois da obra inédita de Buchala, a Osesp executa a Sinfonia nº 4 em Ré Menor, Op.120, de Schumann (23 min), último grande sucesso do compositor alemão e uma das últimas peças que ele regeu, antes que sua saúde mental entrasse em colapso.
 
Saiba mais sobre Kismara Pessati:
 
Informações sobre os concertos:
- Ensaio aberto: 14/04 (qui), às 10h. Ingressos: R$ 10,00
- Concertos: 14/04 (qui) e 15/04 (sex), às 21h, e 16/04 (sáb), às 16h30. Ingressos: R$ 42,00 a R$ 194,00.
 
Os concertos da Osesp são uma realização do Governo do Estado de São Paulo, por intermédio da Secretaria de Estado da Cultura, e contam com o patrocínio do Itaú Personnalité, BM&FBovespa, Banco Votorantim e Deloitte.

QUARTETO OSESP TOCA SCHUBERT, BEETHOVEN E BARTÓK (COMPOSITOR TRANSVERSAL 2016) |
DOMINGO, 17 DE ABRIL, 16H
O Quarteto Osesp, formado pelos violinistas Emmanuele Baldini (spalla da Osesp) e Davi Graton, o violista Peter Pas, e o violoncelista Ilia Laporev, apresenta seu primeiro recital na Temporada 2016.
 
O programa começa com o Quarteto nº 12 em Dó Menor, D 703 – Quartettsatz, de Franz Schubert (9 min), originalmente concebido como primeiro movimento de um quarteto de cordas que não chegou a ser terminado pelo compositor, em seus últimos anos de vida. A peça integra o ciclo “Schubert em Foco”, em destaque nessa Temporada.
 
Na continuação, o grupo toca o Quarteto nº 2 em Sol Maior, Op.18 nº 2, de Beethoven (24 min), obra que reúne influências do estilo galante, ao mesmo tempo em que aponta para os futuros trabalhos do compositor alemão. Como explica o spalla Emmanuele Baldini, em texto especialmente escrito para a Revista Osesp de abril:
 
“No contexto de um Quarteto que olha para trás e que é quase uma homenagem a Haydn (...), o último movimento vai na direção oposta, já mostrando o lado ‘revolucionário’ do gênio de Bonn.”
 
Para encerrar, os músicos interpretam o Quarteto nº 1 em Lá Menor, de Béla Bartók (30 min) -- Compositor Transversal de 2016 --. obra representativa da fase “húngara” do compositor, iniciada por volta de 1907, e que dá início à execução integral de seus seis quartetos pelo Quarteto Osesp, divididos entre esta e a próxima Temporadas.
 
Saiba mais sobre o Quarteto Osesp:
 
Informações sobre o concerto:
- 17/04 (dom), 16h. Ingressos: R$ 77,00 a R$ 100,00.
 
Os concertos da Osesp são uma realização do Governo do Estado de São Paulo, por intermédio da Secretaria de Estado da Cultura, e contam com o patrocínio do Itaú Personnalité, BM&FBovespa, Banco Votorantim e Deloitte.
Fonte: Alexandre Felix - Comunicação / Imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário